Tierry diz que 'duvidou' da existência de Deus, mas pela 'ciência' filho não estaria vivo

27 JAN 2018
27 de Janeiro de 2018
Escreva aqui seu post
Tierry diz que 'duvidou' da existência de Deus, mas pela 'ciência' filho não estaria vivo
Foto: Rebeca Menezes / Bahia Notícias

O ano de 2017 não foi fácil para Tierry. O baiano iniciou o período apostando em sua carreira como cantor, até firmou contrato com um dos maiores escritórios de gerenciamento artísticos da atualidade, a Audiomix, que cuida de nomes como Wesley Safadão, Simone e Simaria e Alok, mas teve que congelar seus planos ao descobrir a doença do seu filho Adriel Anjos, de três anos (relembre aqui). “Saí da Audiomix porque achei que realmente iria parar de cantar, devido ao lance que aconteceu com meu filho. Tanto é que passei minhas músicas para outros artistas. Inclusive, ‘Baldin de Gelo’, ia gravar com Claudia Leitte, só que como estava nesta emoção difícil, ofereci a Claudinha, ela gravou e virou um grande sucesso”, inicia ao Bahia Notícias. Por orientação médica, o artista não revela a enfermidade que o pequeno enfrentou, porém lembrou-se dos meses complicados que viveu ao lado da esposa, Lorena Allveis. “Cancelei 15 shows. A gente se apegou muito a Deus, contudo duvidei também da existência dele. Não posso ser hipócrita e demagogo. Foram momentos muito difíceis. Foi barra”, entristeceu-se e continuou: “Se hoje ele tá vivo, é graças a Deus, mas cientificamente não existe. Tudo dizia que não era para ele estar mais aqui, mas o homem lá de cima é quem manda. Médicos dos médicos”.

Passado o tempo de turbulência, aos poucos o baiano está voltando a investir em sua carreira. “Realmente 2017 seria o meu ano como cantor, se não tivesse acontecido isso, mas 2018 tá sendo bom também. É o ano da retomada. Eu preciso continuar, por mais difícil que sejam as nossas lutas”, frisou. Se por um lado ficou impedido de cantar, por outro a composição seguiu fluída. “Compor era um outro lugar, né? Vários artistas seguiram me ligando. Às vezes, sem nem saber o que estava se passando e aquilo foi importante. Acho que Deus mandava aquelas pessoas para diminuir a dor”, agradeceu. Como parte desse novo momento, Tierry está divulgando a música “Mulher no Espelho”, que fez parte do seu projeto acústico e que já soma mais de 3 milhões de visualizações na sua conta oficial no YouTube. A faixa já foi gravada por diversos artistas, como a parceria de Luan Santana e Xanddy, líder do Harmonia do Samba, e Jonas Esticado. “A carreira agora está maravilhosa. O que tem que ser nosso é nosso. Não tem jeito. Não adianta brigar”, ressaltou. Para o público baiano, ele ficou conhecido pelos 6 anos dedicados ao pagode, na banda Fantasmão. Quanto a isso, o artista foi só agradecimento: “Foi uma fase muito boa. Lá ganhei o povo, sabe? As pessoas da periferia, as classes mais humildes e eles mesmos perceberam que podia cantar outras coisas e vieram comigo nessa. Queria quebrar essa casca e ir para outros lugares. É muito bom saber que a gente é respeitado em outros cantos”, admitiu. Investindo cada vez mais na sofrência, misturando sertanejo com arrocha, Tierry prepara 6 músicas para soltar após o Carnaval. A canção carro-chefe será a denominada “Cara como eu”, que ele já vem dando umas amostras nas redes sociais. Confira:

Voltar